Category Archives: Direitos e Deveres

Concurso SUSEP: Informações, edital e vagas

Não há edital publicado para o próximo concurso SUSEP, mas a previsão é de que seja lançado em 2020. No momento, o órgão aguarda a autorização para 296 vagas de Nível Médio e Superior. Por isso, aqueles que pretendem participar do próximo Concurso SUSEP devem ficar atentos.

A Superintendência de Seguros Privados ( SUSEP ) atualmente é vinculada ao Ministério da Economia e possui o projeto para o próximo concurso em análise. Veja a seguir mais detalhes a respeito do próximo Concurso SUSEP.

Próximo Concurso SUSEP

Próximo Concurso SUSEP

A SUSEP é uma autarquia vinculada ao Ministério da Economia e é responsável pelo controle e fiscalização dos mercados de seguros, previdência privada aberta, capitalização e resseguro.

Fundada em 1966, tem sedes no Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), Porto Alegre (RS) e Brasília (DF). Atualmente, a SUSEP aguarda a análise do pedido de novo concurso pelo Ministério da Economia com 296 vagas para nível médio e superior.

Se for aprovado, o novo certame contemplará as seguintes carreiras:

  • Agente executivo -55 vagas
  • Analista técnico – 241 vagas

O último Concurso SUSEP, realizado pela Escola de Administração Fazendária, (ESAF) em 2010, ofertou 138 vagas para os seguintes cargos:

  • Analista técnico de controle e fiscalização
  • Analista técnico – Atuária
  • Analista técnico – Administração e finanças
  • Analista técnico -Tecnologia da informação

Os salários variavam de R$ 6.800,15 a R$ 17.391,64.

Resumo Próximo Concurso SUSEP

  • Status: Previsto
  • Banca organizadora: Não definida
  • Número de vagas: 296
  • Taxa de inscrição: Não definida
  • Cargos possíveis: Agente executivo e analista técnico
  • Áreas de Atuação: Administrativa
  • Escolaridade: Nível médio e superior
  • Remuneração: De R$ 6.800,15 a R$ 17.391,64 ( edital anterior)

Concurso SUSEP: Como se inscrever?

Embora ainda não tenha um edital publicado nem uma banca organizadora definida, elaboramos um passo a passo básico de como se inscrever no Concurso SUSEP. Confira:

  • Acesse o site SUSEP, na seção “Concursos Públicos” ou o site da banca organizadora do concurso.
  • Leia atentamente as especificações do edital e clique no link indicado para se inscrever.
  • Faça seu cadastro no site da banca organizadora do concurso seguindo as instruções da própria plataforma.
  • Acesse a área restrita do candidato, escolha o cargo pretendido e se inscreva.
  • Imprima o boleto referente à taxa de inscrição e pague em qualquer agência bancária, casa lotérica ou aplicativo de pagamento.
  • Aguarde a publicação das inscrições deferidas no site da banca organizadora ou no site SUSEP , na seção “Concursos Públicos”.

Concurso SUSEP: Prova

Os candidatos ao Concurso SUSEP 2010 passaram por duas etapas de avaliação, sendo elas: uma prova objetiva de conhecimentos básicos e específicos e uma prova discursiva de redação.

Veja a seguir os conteúdos abordados em cada cargo no Concurso SUSEP 2010:

Prova de Conhecimentos Básicos – Todos os Cargos

  • Língua portuguesa
  • Inglês
  • Raciocínio lógico – quantitativo
  • Direito constitucional
  • Direito administrativo
  • Legislação básica

Prova de Conhecimentos Específicos – Área de “Controle e Fiscalização”

  • Contabilidade geral
  • Contabilidade de seguros
  • Técnicas de seguros e resseguros
  • Auditoria
  • Economia
  • Finanças
  • Avaliação de risco e controles internos

Prova de Conhecimentos Específicos – Área de Atuária

  • Estatística
  • Matemática atuarial de pessoas
  • Matemática atuarial de danos
  • Finanças
  • Técnicas de seguros e resseguros
  • Avaliação de risco e controles internos

Prova de Conhecimentos Específicos – Administração e finanças

  • Administração pública
  • Administração de recursos humanos
  • Gestão de tributos
  • Orçamento, contabilidade pública e auditoria governamental
  • Planejamento estratégico

Prova de Conhecimentos Específicos – Tecnologia da informação

  • CMM
  • COBIT
  • Conceitos básicos de sistemas computacionais
  • Telecomunicações
  • Técnicas de programação e desenvolvimento de sistemas
  • Bancos de dados
  • Engenharia de software
  • Redes de comunicação
  • Segurança da informação

Concurso SUSEP: Como consultar o gabarito?

A maioria das bancas organizadoras de concursos orienta os seus candidatos quanto ao dia em que os gabaritos oficiais serão publicados. Geralmente estes gabaritos oficiais ficam disponíveis no site oficial da banca e no site SUSEP, na seção “Concursos Públicos” um dia após a realização da prova.

Após consultar o gabarito oficial, aproveite o momento para conferir sua prova com atenção e verificar se há incoerências. Caso seja necessário, entre com recurso dentro do prazo pré-definido pelo edital.

Concurso SUSEP: Como consultar o resultado?

Após a divulgação dos gabaritos oficiais há um tempo para interposição e análise de recursos. Por isso, fique atento(a) às datas pré-definidas no edital para saber quando será publicado o resultado do concurso.

Também é importante sempre consultar o site oficial SUSEP e o site da banca organizadora para novas atualizações e comunicados. E para ter acesso à pontuação individual, entre no site da banca com o seu usuário e senha e terá uma visão geral de seu desempenho na prova.

Agora é só aguardar a publicação do edital e enquanto ela não acontece, aproveite para estudar os conteúdos antecipadamente. Afinal, o bom desempenho no Concurso SUSEP só depende de você.

E acompanhe sempre nossas publicações recentes, pois assim que o edital for publicado, atualizaremos este post.

Agradecemos pela leitura e se você gostou deste artigo compartilhe com seus amigos e colegas nas redes sociais.

Taxas de Desemprego no Brasil – tudo sobre

Apesar das taxas de crescimento homólogas do PIB de até 6 por cento (embora volátil após 1995), a taxa de desemprego aumentou de forma constante de 4.2 por cento em 1990 para 10 por cento em 2003. As reformas industriais dos anos 90 não conseguiram dar um passo em frente, com 45 por cento dos trabalhadores envolvidos em empregos no setor informal entre 1999 e 2003.

Muitos brasileiros mais pobres ficaram presos em um ciclo vicioso, onde necessidades de curto prazo minaram a capacidade de longo prazo para superar dificuldades econômicas. Por necessidade imediata e premente, a maioria dos membros da família – independentemente da sua idade – procuraria emprego formal ou informal para contribuir para a renda familiar. Como resultado, muitas crianças foram incapazes de adquirir a educação que lhes permitiria escapar do ciclo da pobreza a longo prazo, criando um problema generalizado.

Do mesmo modo, as mães jovens sentiam-se frequentemente obrigadas a renunciar a controles de saúde críticos durante a gravidez e depois. Eles eram menos propensos a assistir exames médicos com seus filhos, impedindo-os de serem vacinados. A elevada mortalidade infantil – e o risco de doenças crónicas como a diabetes- agravaram o risco financeiro que ameaça as famílias de baixos rendimentos.

Embora o sistema universal de saúde do Brasil tenha proporcionado alguma proteção, um estudo de 2007 mostrou que os custos indiretos da Diabetes tipo 2 eram US $ 773 por paciente por ano. Estes resultaram do absentismo do trabalho de ambos os pacientes e seus cuidadores.

A falta das medidas preventivas de saúde necessárias representava, assim, um claro risco financeiro a longo prazo para as famílias de baixos rendimentos, bem como um perigo para a sustentabilidade financeira do sistema universal de cuidados de saúde.

As abordagens anteriores dos governos brasileiros não tinham conseguido resolver este problema complexo. Depois de 1995, a crise da pobreza e da desigualdade começou a ver uma “expansão do sistema de assistência social baseado no dinheiro do Brasil”. Um desses programas, o Bolsa Escola, passou de uma iniciativa municipal para se tornar um programa federal em 2001.

No entanto, este Programa de Aceleração do Crescimento(PAC) foram cada um deles administrados através de municípios e ministérios separados e foram fragmentados em vários sectores, abordando cada aspecto diferente da pobreza. Não forneceram a solução sistemática e coordenada que era necessária.

Um Pouco mais Sobre o Bolsa Família – História – Como Funciona

No final da década de 1990 e início da década de 2000, altos níveis de fome, pobreza e desigualdade caracterizaram a vida urbana em muitas cidades, e particularmente as densamente povoadas, no Brasil. O Programa Bolsa Família (PBF) é um programa governamental introduzido em 2003 pelo então presidente Lula da Silva. No âmbito do PBF, as famílias de baixos rendimentos recebem transferências em dinheiro na condição de, por exemplo, enviarem os seus filhos para a escola e assegurarem que são devidamente vacinados.

Bolsa Família em 2020

O modelo condicional de transferência de dinheiro reduziu com sucesso os níveis de desigualdade e fome – com um número significativamente menor de pessoas vivendo abaixo do limiar de pobreza – e colmatando o histórico fosso rural-urbano. Calendário Bolsa Família 2020, vem ainda com os mesmo moldes, uma vez que muitos políticos brasileiros e outras entidades, dizem que o Bolsa Familia é usado como palanque eleitoral.

Desafio

Por muitas décadas, o Brasil lutou contra os problemas de desigualdade estrutural e pobreza, com altos níveis de fome e privação – mais notoriamente nas áreas pobres, as favelas que cercam grandes cidades como São Paulo e Rio de Janeiro.

O Banco Mundial estima que, entre 1995 e 2003, havia mais de 20 milhões de brasileiros (ou cerca de 11% da população total) vivendo abaixo da linha de pobreza internacional, que foi então definida como ganhando menos de US $ 1,90 por dia. Na década de 1980, o Brasil foi o segundo país mais desigual do mundo em termos de renda.

Seu coeficiente de Gini – uma medida de distribuição de renda comumente usada tomando valores de 0 a 100, com 100 indicando uma sociedade totalmente desigual-continuou a subir até 1993, quando estava em 59,5, após o que começou a diminuir, atingindo 56,4 em 2004. Este número continua a ser elevado: os países europeus registam geralmente nos anos 20 ou 30, e os EUA nos anos 40.

Ao mesmo tempo, as redes de segurança social foram ineficazes na proteção das famílias de baixos rendimentos e não conseguiram cobrir o grande sector informal do trabalho. Os frutos da abertura econômica do Brasil não foram igualmente compartilhados, como foi demonstrado por altas taxas de desemprego e uma persistente falta de crescimento em empregos do setor formal.

Como funciona o Detran (Departamento Estadual de Trânsito) – E como usar os serviços

Como tirar CNH no Brasil

Aqui a gente vai te introduzir a estatal responsável pela supervisão de veículos terrestres no Brasil. Você também saberá o que é preciso para dirigir legalmente no país e em que casos você pode precisar consultar Detran.

Detran é o nome do Departamento Estadual de Trânsito. Suas principais funções são treinamento e supervisão de motoristas, concessão de licenças, registro e inspeção de veículos e aplicação do código de Trânsito Brasileiro.

No Brasil, existem 27 jurisdições Detran, uma para cada um dos 26 estados do país, mais o DF (Distrito Federal). Cada Detran é independente do outro, então eles têm algumas regras particulares e diferentes administrações. Sendo assim, em Pernambuco será preciso acessar o site detranpe2020.com.br

Os Detrans fazem parte do Sistema Nacional de Trânsito, SNT, que está ligado ao Ministério das cidades. A SNT elabora as leis que regulam o tráfego no Brasil e cabe à Detran aplicar essas regras no território de cada Estado.

Um estrangeiro pode conduzir no Brasil com a licença de seu país?

Sim. Mas apenas até 180 dias, contando a partir da chegada ao Brasil. Neste caso, os estrangeiros devem ter mais de 18 anos de idade, ter uma carta de condução original válida e uma foto de identificação (de preferência o passaporte).

A lei aplica-se a todos os países membros da Convenção de Viena e países com os quais o Brasil tem acordos internacionais de reciprocidade.

Estrangeiros que conduzem no Brasil por mais de 180 dias devem se candidatar a uma carteira de motorista permanente brasileira no Detran local. Cada escritório de Detran tem uma unidade especial para ajudar estrangeiros nestas questões.

Departamento Estadual de Trânsito

Obtenção de uma licença temporária (válida por seis meses )

Após 180 dias, os estrangeiros podem solicitar uma licença temporária Brasileira. A condição prévia é ter um trabalho temporário ou um visto de turista no Brasil. O requerente deve dirigir – se ao Detran local, com os seguintes documentos::

  • Fotocópia ou original do passaporte com visto confirmando a legalidade da entrada no Brasil
  • Carta de condução Original temporária ou completa (válida ou desatualizada) traduzida para o português por um tradutor ajuramentado (pode não ser necessário)
  • Fotocópia e prova original de residência em um endereço no Brasil
  • Recibo comprovativo do pagamento do imposto de Detran (DUDA), que varia em torno de R$ 90,00 (varia de Estado para estado))
  • Uma licença temporária deve ser emitida imediatamente. Esta licença é válida por seis meses, mas pode ser renovada. Os procedimentos podem diferir em todo o Brasil, já que os escritórios do Estado Detran são independentes.

Como tirar a CNH no Brasil

Uma carta De Condução brasileira completa (Carteira Nacional de Habilitação, CNH) só pode ser dada a um estrangeiro legalmente residente no Brasil. Para isso, serão exigidos os seguintes documentos em Detran:

  • Original e cópia do bilhete de identidade (Cédula de Identidade para Estrangeiro-CIE que contém o Registro Nacional de Estrangeiro – RNE o número de identidade de não nacionais)
  • Original e cópia do cartão individual do Contribuinte (Cadastro de Pessoa Física-CPF – consulte o seu aqui)
  • Cópias e originais da prova de endereço dos três meses anteriores
  • Carta de condução Original temporária ou completa

Antes de tirar a licença completa, o requerente pode ser obrigado a fazer exames médicos e psicológicos (R$ 50,00 cada). Isso é decidido caso a caso por Detran.

Somente estrangeiros de países membros da Convenção de Viena e países com os quais o Brasil tem acordos internacionais de reciprocidade podem solicitar licenças temporárias e completas sem fazer o teste completo (quem não tem licença tem que fazer). As pessoas sem licença ou licença de um país que não é contemplado, terão que passar por todo o processo, que está dividido em quatro partes:

Exame Médico

  • Comportamento psicológico / exame lógico
  • Teoria da estrada e instrução jurídica seguida de ensaio
  • Formação prática seguida de ensaio

Após completar essas quatro etapas, será emitida uma licença temporária válida por um ano. A licença permanente será entregue após este período. Os testes são todos organizados por uma escola de condução (autoescola) e não pode ser organizado diretamente em um escritório Detran. Todo o processo custa cerca de 800,00 BRL e leva cerca de três meses.

Não é possível fazer o teste teórico ou prático com um intérprete ou tradutor e o teste não pode ser feito em Inglês, bem como a teoria da estrada e a instrução da lei.

Como usar os serviços do Detran no dia a dia

Além de lidar com Detran por uma licença de condução, a instituição também é responsável por vários outros procedimentos relacionados à condução no Brasil.

Uma vez que um estrangeiro começa a dirigir no Brasil, ele deve obedecer as leis de trânsito nacionais. Se forem apanhados a desrespeitar estas regras, os estrangeiros serão multados pelo Detran e os preços dos bilhetes ascenderão a R$ 200,00.

Os estrangeiros não estão proibidos de sair do Brasil se tiverem multas de trânsito não pagas, mas não podem retornar ao país antes de pagá-las. Já quem mora definitivamente e é cidadão brasileiro precisa estar com os impostos em dia.

Quando um condutor recebe um carro no Brasil, ele começa uma longa relação com Detran, que vai durar até se livrar do carro. Entre outras coisas, Detran é responsável pela transferência do carro para o nome do novo proprietário, registrando-o com uma placa de matrícula, coletando IPVA anualmente (imposto sobre veículos automotivos) e fornecendo a inspeção anual, entre outras responsabilidades.

Como tirar a carteira C de caminhão no Brasil – Passo a Passo

Mesmo sendo considerada uma profissão perigosa no Brasil, muitas pessoas, entre homens e mulheres, tentam fazer sua carteira para serem motoristas de caminhão. A possibilidade de conseguir ganhar mais ou até mesmo realizar um sonho de ter a profissão, tem chamado a atenção de muitos jovens, que hoje, mesmo antes dos 30 anos já dirigem qualquer tipo de veiculo pesado.

Mas infelizmente não é só sonhar ou querer, você precisa também ter que ter alguns requisitos, que podem fazer a diferença na hora de cair na estrada. Uns deles são:

Gostar de viajar

Você vai passar boa parte do tempo na rua e realmente o caminhão será sua segunda casa, muitas vezes ela será a primeira também. Então veja se realmente gosta da coisa, para que seu sonho, não se torne um sonho chato.

Cuidar do seu caminhão

Dependendo da empresa que for trabalhar, o caminhão pode acabar ficando integralmente sobre sua responsabilidade, então, cabe a você cuidar da higiene, conservação e acompanhar a mecânica do bruto.

Outra coisa que o profissional da estrada deve estar atento é nas questões de documentação do veículo. DPVAT e o licenciamento por exemplo, são impostos que devem sempre estar em dia para evitar grandes dores de cabeça.

Agora vamos para as partes burocráticas, tirando como base que você quer tirar a carteira “E” que é a ultima carteira, os requisitos exigidos são

Ser maior de 21 anos

Hoje a idade mínima para dirigir veículos pesados no Brasil, é de 21 anos.

Ter habilitação “C” ou “D” por mais de um ano.

Não tem como chegar na categoria “E” se você não tiver ao menos um ano com a “C”ou a “D”, somente depois disso o candidato a alteração de categoria, deve procurar uma autoescola passar começar o processo.

Ter um ano sem cometer infração grave ou gravíssima

O motorista não pode ter feito multas no período um ano, então, se seu plano é conseguir essa habilitação, comece a pensar num transito mais seguro, aproveitando também para evitar fazer multas, já que direção segura e multas não combinam.

Realizar exame médico e psicológico nas clinicas

Ao procurar uma autoescola, o candidato será encaminhado para fazer seus primeiros exames em alguma clínica designada pelo Detran, o custo chega a R$ reais dependendo do estado. Faltar a um desses exames faz com que você tenha que remarcar a consulta, tendo ainda por cima ter que pagar novamente o valor.

Toxicológico

O exame toxicológico também é obrigatório para poder caminhões e carretas. Deve ser feito em alguma clinica de sua preferência, os valores podem chegar a 300 reais. Para que tudo de certo nesse exame, ele não poderá apontar o uso de drogas ilícitas como maconha, cocaína, crack.

Então se você for adepto de fazer uma fumaça é melhor para meses antes de fazer o exame.

Aulas

Após comprovado que o candidato esta apto para ser um motorista de veículos pesados, a pessoa deve começar as aulas na autoescola. Por já ter feito as aulas teóricas quando tirou sua primeira habilitação, não deverá voltar a sala de aula para fazer a mesma. As aulas serão com veiculo parecido com o do dia do teste.

Depois de incansáveis dias de aulas com seu instrutor, onde irá aprender como manobrar, trocar marchas e muitas outras coisas que são atribuídas ao motorista.

Dia do teste

Vá tranquilo e cuide para que o nervosismo não te vença – boa parte dos candidatos acabam sendo reprovados somente pelo nervosismo. Tome suco me maracujá, ou algo que te deixe tranquilo.

O teste se divide em dois, baliza e rua. Somente sendo aprovado na baliza que o motorista passa para a segunda parte. Na rua, deverá mostrar que as aulas tiveram efeitos. Desenvolva as marchas, cuida das curvas e placas de transito que a habilitação Ë” já é sua.